Educadoras brasileiras são homenageadas pela presidenta da República no Palácio do Planalto.

Dilma

Dando continuidade à agenda de comemoração do Dia Internacional da Mulher (8 de março), a presidenta da República, Dilma Rousseff,  entregou na manhã desta segunda-feira (21) a medalha da Ordem Nacional do Mérito a onze educadoras que atuam em nove estados brasileiros, nas mais diversas frentes de trabalho. As profissionais que receberam a outorga possuem perfis variados – algumas são acadêmicas renomadas, enquanto outras desenvolvem seu trabalho no interior do país. A cerimônia foi realizada no Palácio do Planalto, em Brasília, e contou com a participação de ministros de estado, professores, reitores e parlamentares.

“Este é um momento muito especial. Trata-se de uma dupla homenagem, direcionada às educadoras e às mulheres brasileiras, neste mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher”, destacou Dilma Rousseff.  “Estamos fazendo um ato simbólico. Valorizar a mulher professora é também valorizar os professores e todo o Brasil”, disse ela.

Durante a cerimônia, a presidenta enfatizou a importância do trabalho de valorização do professor e da escola e afirmou que, do total de 1,8 milhão de professores em todo o Brasil, 1,6 milhão são mulheres (equivalente a 81%).
A Ordem Nacional do Mérito, uma das mais importantes honrarias do Brasil, foi criada pelo decreto-lei nº 9.732, de 1946, e pela primeira vez em toda a história condecora as mulheres que atuam na área de ensino.

Para a ministra da Cultura, também presente na cerimônia de entrega da condecoração às professoras, a homenagem foi muito justa. “O merecido reconhecimento, por parte do governo federal, do esforço e do trabalho desempenhado pelas mulheres educadoras, dá a exata dimensão da importância da função que elas desenvolvem”, enfatizou.

Homenageadas

Dentre as onze educadoras que receberam a Ordem Nacional do Mérito está Gilda Kuitá, da etnia kaingang, uma das primeiras 19 indígenas a aprender a forma escrita do seu idioma materno. Em 1974, com apenas 18 anos, Gilda começou a alfabetizar indígenas na língua Kaingang em sua comunidade, no município de Londrina, no estado do Paraná.

Outra homenageada foi a pós-doutora Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva. Ela foi relatora do parecer nº 3, de 2004, do Conselho Nacional da Educação, que colocou a cultura negra dentro dos currículos brasileiros.  Nascida em Porto Alegre, desde 1964 se dedica ao estudo de temas afro-brasileiros.
A educadora Aurina Oliveira Santana, natural de Salvador, falou em nome de todas as professoras que receberam a insígnia. “Esse reconhecimento é muito importante para nós e para a nossa população”. Ela mencionou que o Brasil mais justo e mais igualitário passa pela educação.

Além de Dilma Rousseff, integraram a mesa da solenidade o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci; o ministro da Educação, Fernando Haddad; a educadora Aurina Oliveira Santana; e o presidente do Senado Federal e atual chanceler da Ordem Nacional do Mérito, José Sarney (PMDB-AP).

Saiba quem são as mulheres homenageadas acessando aqui.

(Texto: Glaucia Lira, Ascom/MinC)
(Fotos: Marina Ofugi, Ascom/MinC)